31 de ago de 2010

BRASÍLIA, 50 ANOS: SONHO NO BRASIL CENTRAL




A "interiorização" da capital era Projeto desde o século XIX. Juscelino Kubitschek executou a idéia que vem desde o período da Independência.
Por Alberto Luiz Schneider, adaptação.
Brasília, como projeto e sonho, nasceu bem antes de o presidente Juscelino Kubitschek tomar a decisão política de erguer uma nova capital no meio do nada. Muitíssimo ANTES de os traços modernistas de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer serem esboçados, a Cidade Desejada foi imaginada.JK Não inventou Brasília - Uma Cidade Que em 2010 comemora 50 anos -, Apenas construiu, cumprindo preceito constitucional que previa a transferência da capital do País para o centro geográfico do imenso Território Brasileiro.A idéia nos remete a ninguém menos que José Bonifácio de Andrada e Silva (1763 - 1838), o Patriarca da Independência. Em um panfleto chamado Aditamento ao Projeto de Constituição e fazê-lo aplicável ao Reino do Brasil, publicado em Lisboa, em 1822, Bonifácio propôs a construção de uma nova capital: "No centro do Brasil, entre as nascentes dos confluentes do Paraguai e Amazonas, FUNDAR-se-á a capital desse Reino, com a denominação de Brasília".Após a efetivação da Independência, Bonifácio tornou-se presidente da Primeira Assembleia Constituinte de Nossa História, em 1823, na qual defendeu, entre outras ideias, a Abolição do Tráfico Negreiro, a Instrução Pública, a Fundação de Uma universidade, Uma Reforma Agrária e a Construção "De uma nova capital do Império no interior do Brasil, em uma das vertentes do rio São Francisco, que poderá chamar-se Petrópole ou Brasília.Alberto Luiz Schneider Doutor em História pela Unicamp, com pós-doutorado Pelo King \ 's College de Londres. Foi professor Visitante da Universidade de Estudos Estrangeiros de Tóquio. Atualmente é professor de História do Brasil nd Universidade Camilo Castelo Branco (Unicastelo), em São Paulo.Adaptado de /brasilia_50_anos_um_sonho_no_centro_do_brasil.htmlhttp://www2.uol.com.br/historiaviva/reportagensPara saber mais clique no título.

Nenhum comentário: